Pode uma dor de cabeça iniciada na infância, e que seguiu de forma intermitente por 25 anos, tornar-se diária pelo uso abusivo de analgésicos? Foi o que aconteceu com o aposentado JBF.

Pode uma dor de cabeça iniciada na infância, e que seguiu de forma intermitente por 25 anos, tornar-se diária pelo uso abusivo de analgésicos? Foi o que aconteceu com o aposentado JBF.

O dia-a-dia do aposentado carioca JBF, de 63 anos, tornou-se insuportável há 28 anos, quando sua enxaqueca, que havia se iniciado antes que completasse dez anos de idade, tornou-se diária. Isso mesmo: uma dor de cabeça iniciada na infância provocou sofrimento de forma intermitente por 25 anos, passando, depois, a acompanhá-lo em seis dias de cada semana nos últimos 28 anos. Essa evolução trouxe imenso prejuízo econômico, social e psicológico, não raro fazendo-o sentir-se inferior aos outros, incapaz de executar suas tarefas com competência.
Quando iniciamos o seu tratamento, o Sr J tomava diariamente, mesmo quando não tinha dor e com o intuito antecipatório de prevenir a sua ocorrência, um ou dois comprimidos de ormigrein e neosaldina. Cinco semanas após a suspensão desse uso já considerado abusivo de analgésicos, o Sr J retornou ao consultório com pelo menos 16 dias sem nenhuma dor de cabeça. Sua narrativa alegre e o entusiasmo em alertar a outros sobre o perigo do consumo indiscriminado de analgésicos e a consequente piora da dor, foram tão marcantes que decidiu abordar, em algumas ocasiões, pessoas que adentravam farmácias para comprar analgésicos.