Enxaqueca crônica ou transformada

EnxaquecaAlgumas dicasDietas para enxaquecasEnxaqueca crônica ou transformadaEnxaqueca na mulherEnxaqueca em criançasTratamentosFatores deflagradoresComo ocorre a enxaqueca

O que é enxaqueca crônica ou transformada?

São as dores de cabeça em caráter diário ou quase diário (em quinze ou mais dias por mês), que evoluíram ao longo do tempo e sob a influência de inúmeros fatores, a partir de uma enxaqueca que se manifestava com crises episódicas de dor de cabeça. Ou seja, a enxaqueca que se apresentava em crises eventuais, mas com intervalos sem dor, passa ao longo do tempo a se apresentar todos os dias ou em mais de 15 dias por mês.

Este tipo de dor de cabeça chama-se cefaleia crônica diária e geralmente ocorre em pacientes que apresentavam enxaqueca desde a infância ou adolescência. A incidência chega a 4% da população mundial, dependendo da área geográfica.

Como se apresenta?

Muitos pacientes apresentam a dor diária sem aquelas características associadas (tais como enjoo, vômitos, intolerância à claridade, ruídos e odores) da crise de enxaqueca,  ou com estes sintomas em intensidade mais leve.

Essa dor diária assemelha-se, em termos de apresentação clínica para o paciente e para o médico, a uma dor de cabeça diferente, como a cefaleia do tipo tensional, e frequentemente confunde o médico pouco experiente, fazendo-o pensar em uma dor de cabeça puramente do tipo tensional e que nada tem a ver com a enxaqueca. Entretanto, e isto deve ser mais uma vez enfatizado, a própria enxaqueca, quando evolui para apresentação diária ou quase diária, perde várias de suas características e assume uma intensidade mais leve e com menos sintomas associados.

Por que se transforma?

A transformação da enxaqueca em dor de cabeça diária pode ser de forma gradual (80% dos casos) ou súbita.

A transformação gradual geralmente é causada por uso regular e/ou excessivo de medicamentos para a própria dor (como analgésicos, triptanos e derivados da ergotamina), aparecimento de pressão alta (hipertensão arterial), personalidade neurótica (ansiedade, estresse e depressão) ou como parte da evolução natural da própria enxaqueca. Aqui destacamos os pacientes com transtornos de personalidade dos tipos borderline, histriônico e narcisista. Estes pacientes, que muitas vezes passam por pessoas competentes, produtivas e idealizadoras, são, na verdade, desajustados sociais que criam problemas de relacionamento em família, no trabalho e na vida. Muitos dos pacientes com as chamadas enxaquecas crônicas podem não responder ao tratamento exatamente por causa destes distúrbios psiquiátricos que nem sequer são de seu conhecimento e que podem ser muito difíceis de diagnosticar.

A transformação súbita pode ser causada por doenças infecciosas da própria cabeça ou de outras partes do corpo, cirurgias, traumas da cabeça (mesmo leves), grande trauma emocional (como perda de um ente querido), gripes fortes ou sinusites e uso de certas drogas para outras doenças.

Tratamento

É fundamental que o paciente entenda claramente o porquê de sua dor e qual o processo envolvido na transformação gradual ou súbita em dor diária. Como a maioria dos casos, em torno de 75-80%, é associada ao uso excessivo e/ou regular e abusivo de medicamentos para a própria crise de enxaqueca, é muito importante a suspensão do uso desses medicamentos para se conseguir melhorar. Apenas a suspensão dos medicamentos usados em excesso já acarretará, após 3 a 5 semanas em média, melhora significativa em pelo menos 80% dos pacientes, e o sacrifício inicial de se suportar a piora da dor nos primeiros dias de abstinência, sem voltar a usar os medicamentos anteriores, será profundamente recompensado pela grande melhora observada.

No entanto, em outros pacientes com migrânea ou enxaqueca transformada em dor diária, o uso abusivo de drogas não desempenha papel importante, e fatores como desenvolvimento de hipertensão, neuroticismo (ansiedade, estresse e depressão) e até traumas de cabeça ou emocionais podem ter levado à essa transformação de padrão doloroso. Nesse caso, é fundamental que o médico identifique aquilo que desencadeou ou está sendo responsável pela modificação do padrão de apresentação da dor de cabeça, se foi em caráter súbito ou gradual e o que pode ser feito, sempre com a insubstituível participação do paciente, para reverter o quadro apresentado. O tratamento da dor de cabeça diária também inclui os medicamentos usados na prevenção da enxaqueca episódica. Entretanto, o mais comum é a associação de duas ou mais destas substâncias para se obter melhora da resposta ao tratamento.